Aves silvestres foram resgatadas durante abordagens realizadas neste domingo (21) em trechos da BR-116, em Vitória da Conquista. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), responsável pela ação, nove animais foram encontrados presos em gaiolas de forma precária.

Os flagrantes ocorreram durante fiscalizações realizadas em três ônibus. A primeira ocorrência foi registrada às 11h25, quando foram resgatados quatro aves que estavam aprisionadas dentro de uma mochila.

Os pássaros conhecidos como trinca-ferro, bicudo e papa-capim seriam levados para a cidade de Maracani, ainda na Bahia. Um idoso de 66 anos foi identificado como responsável pelo transporte ilegal dos animais.

Já o segundo flagrante ocorreu por volta das 12h, durante abordagem a um ônibus que seguia de São Paulo (SP) com destino a Patos (PB). Ao subirem no ônibus e conversarem com os ocupantes, os agentes decidiram aprofundar à fiscalização e após vistoria encontraram três canários-da-terra que estavam aprisionados em uma gaiola e escondidos dentro de uma mochila.

O responsável pelas aves, um homem de 33 anos, não apresentou nenhuma documentação emitida por órgãos ambientais e informou que comprou os pássaros na cidade de Boituba (SP). Informou ainda que pagou R$ 300 pelas aves, mas que pretendia soltar os animais no próprio sítio, localizado na zona rural de Imaculada (PB).

Por fim, às 14h20, foram resgatados doistrinca-ferro que estavam com um passageiro de ônibus. Os pássaros foram encontrados dentro de uma bolsa e estavam em condição precária. O homem disse que pagou R$ 300 pelas aves e que levaria para a cidade de Malhador (SE) para presentear o pai.

Diante das circunstâncias foram lavrados os Termos Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e os infratores responderão na Justiça por crime contra o meio ambiente.

As aves foram encaminhadas ao órgão ambiental CETAS, onde receberão os primeiros cuidados para depois serem devolvidos a natureza.

Vale ressaltar que é crime a caça predatória, o tráfico e a criação ilegal de animais silvestres. As penas para estes crimes ambientais são de multa de até R$ 5 mil, por animal encontrado irregularmente, e até um ano e seis meses de prisão.