A primeira sessão do ano da Câmara de Vereadores de Vitória da Conquista aconteceu em clima de muitos protestos por servidores municipais contrários ao governo de Herzem Gusmão (MDB).

O presidente do Legislativo, Hermínio Oliveira (PPS), chamou atenção dos manifestantes ameaçando suspender a sessão.

Em seu discurso de abertura dos trabalhos legislativos, Hermínio Oliveira (PPS) se comprometeu em continuar presidindo a CMVC com austeridade e de forma harmônica com os vereadores e Administração da Casa, em prol do desenvolvimento de Vitória da Conquista. O edil destacou debates importantes realizados pelo Legislativo no ano passado, como a subvenção econômica à Empresa Municipal de Urbanização de Vitória da Conquista (Emurc), debates sobre a Policlínica de Regional de Saúde, Programa de Refinanciamento de Dívidas Tributárias e Preços Públicos (Refis), entre outros. Ele frisou também atuação da Comissão de Combate à Seca e aprovação de projetos como IPTU Verde, reservas de vagas de estacionamentos para gestantes, prazo da Rede de Saúde para atendimento ao idoso, e o Julho Vermelho – campanha de conscientização de doação de sangue. “Neste ano vamos prosseguir fazendo o melhor possível e estando sempre alerta para defender o nosso município, em toda e qualquer ocasião”, afirmou Hermínio.

Com o plenário lotado, o prefeito Herzem Gusmão discursou em meio a vaias e aplausos. Herzem anunciou o pagamento do terço de férias nesta sexta-feira (2), aos professores municipais e afirmou que o restante irá receber ainda neste mês.

O gestor afirmou que conta com o mesmo empenho da Casa em ações para 2018 e relatou alguns projetos previstos: asfaltamento de ruas dos bairros Morada Real, Miro Cairo e Henriqueta Prates; revisão do contrato com a Embasa; implantação da Casa Rosa, destinada às mulheres vítimas de violência; e instalação da primeira subprefeitura do município, no distrito de José Gonçalves.

Outro ponto positivo foi o anúncio do asfaltamento nos bairros Miro Cairo e Henriqueta Prates.

Porém, o “clima esquentou” quando o prefeito confirmou o fim do pagamento de horas extras. Ele frisou que sua gestão está acabando com privilégios. O público presente ficou indignado, vaiou e teceu diversas críticas a nova postura do governo municipal.

Fonte: Mega Rádio