Os jogadores brasileiros, que atuam no exterior, disseram que não vão jogar a Copa América. A informação foi publicada nesta sexta-feira (4) pelo jornal espanhol “AS”, em matéria assinada pelo jornalista brasileiro Fernando Kallás. De acordo com a reportagem, as lideranças do elenco da seleção brasileira estão mantendo contato nos últimos dias com os atletas dos demais selecionados sul-americanos, que também estarão na competição. O torneio será realizado no Brasil, entre os dias 13 de junho e 10 de julho, após as desistências, primeiro, da Colômbia, e depois da Argentina, que seriam sede inicialmente. A mudança de local foi definida na última segunda (31) pela Conmebol.

 

A escolha do Brasil como sede é o principal motivo da revolta dos jogadores, que estão reunidos para os dois próximos compromissos da seleção brasileira pelas eliminatórias. O descontentamento deles é devido ao descontrole da pandemia do novo coronavírus no país, já que eles seriam vistos como insensíveis à crise de saúde. Quase 500 mil pessoas morreram em solo brasileiro por causa da Covid-19.

 

Os jogadores comunicaram a insatisfação à comissão técnica, encabeçada pelo técnico Tite. E esta se reuniu com a diretoria da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O posicionamento do elenco foi visto como um motim pelo presidente Rogério Caboclo. Inclusive, o dirigente teria ameaçado demitir o coordenador da seleção, Juninho Paulista, por não conseguir controlar os atletas.

 

Enquanto os bastidores pegam fogo, o Brasil encara o Equador, nesta sexta, logo mais às 21h30, no Beira-Rio, pela sétima rodada das eliminatórias. Depois, na terça (8), no mesmo horário, o duelo é contra o Paraguai, no Defensores del Chaco, pela oitava jornada. Neste momento, o time Canarinho é líder isolado da tabela de classificação com 12 pontos conquistados em quatro jogos. *Bahia Notícias.