No Universo Diverso desta quinta-feira (23), a jornalista Luciana Nery trouxe a quarta parte da entrevista com o estudioso Carlos Nascimento, mestrando em Ciências da Computação pela Faculdade Fernando Pessoa, em Portugal. Neste episódio, ele abordou a questão dos polêmicos nudes, motivo de dor de cabeça para muitas mulheres, muitas das quais vítimas do que se convencionou a chamar de pornografia de vingança.

Carlos Nascimento fez questão de demonstrar que não há, de sua parte, uma abordagem moral sobre o tema, mas que é preciso discutir aspectos desta prática cujas consequências são muitos sérias, especialmente para as mulheres. “Não estamos aqui para condenar nenhuma atitude pessoal. Tudo é permitido. Os nudes são processo natural da conquista, picardia da adolescência. As provocações que os namorados se fazem em torno do sexo”, argumenta.

No entanto, adverte o pesquisador, é preciso que a mulher tenha consciência se o nude que ela oferta ao namorado traduz uma forma de provocação ao sexo, uma brincadeira saudável ou como prova de amor, de submissão “Este é o risco. Porque seria a projeção, no ciberespaço, de uma atitude machista, de prova de submissão da mulher ao sexo do homem”. E pior: “Uma vez publicado, não tem volta”.

Ainda segundo Carlos Nascimento, o nude, feito para ficar entre o casal, pode ser replicado, inclusive por ação de hackers. “Neste ponto, a sociedade é cruel. O julgamento na Internet é definitivo. No caso de uma sociedade machista isso é irreversível para a mulher, e os efeitos e as consequências para a vida dela equivalem a um estupro, porque ela se expôs a uma violência múltipla, ainda que não seja carnal”.