Depois do lançamento do elogiado álbum “Cisco no Olho” no mês de maio, Ana Barroso apresenta o videoclipe caseiro colaborativo da canção “Vai Rodar” como parte do projeto “Repentina”, financiado pela Lei Aldir Blanc Bahia. O produto audiovisual teve roteiro assinado pela própria artista, com edição de Nin La Croix, e estará disponível no YouTube no próximo dia 19.

Em “Vai Rodar”, Ana Barroso utiliza da estética sonora da cultura de longa tradição nordestina para discutir questões do seu tempo. A música é uma crítica ao governo Bolsonaro e retrata um duelo imaginário entre o presidente e a força da figura do boi bumbá, ressaltando a cultura popular como potência revolucionária.

Ouça “Vai Rodar”: https://open.spotify.com/track/29Env60H28t8WqU6Qm4Oll?si=93e7e7dad1464f7d

Mais do que um protesto, é um presságio de “limpeza” frente a um país em crise sanitária e política. “A verdade, ela sempre vem, ainda que seja duro pagar o preço da espera. Custa caro. A indignação também fortalece. Infelizmente, a gente só recupera o instinto da ação, o furor pela mudança, quando dói. E agora não tem quem não esteja em carne-viva”, explica. “Eu me sinto convocada a ter responsabilidade com a frente que eu assumo. Até porque viver é um ato político. Tem suas complexidades colocar o corpo a serviço do mundo, mas enquanto eu tiver saúde e disposição para isso, quero buscar ser esse instrumento”, ressalta a artista.

Na letra, Ana também faz menção a mulheres brasileiras como Marinês, Chiquinha Gonzaga, Elza e Maria Bonita, homenageando as suas referências desde quando iniciou sua trajetória na música. “Minha primeira escola foi o chorinho. Foi uma grande descoberta saber de Chiquinha Gonzaga no calor dessa idade. Ouvia muito tentando solfejar as melodias e essa referência ficou cristalizada”, relembra. “Acho que das mulheres que cito a que consumi mais tardiamente foi Elza, que é uma cantora gigante, mãe de 9 filhos e de lutas tão profundas. Marinês é a Maria Bonita cantante, rainha desbravadora do forró, do xaxado. Amo-as pelas suas revoluções e pelo lugar que ocuparam”, detalha.

O videoclipe conta ainda com a participação de amigos e artistas, agentes culturais de diversas partes da Bahia. “Quis mostrar que apesar de nossas inumeráveis indignações, somos fortes, não somos poucos e que a beleza mora na diversidade e criatividade da nossa gente. Eu não tinha dúvidas de que pessoas corajosas e criativas trariam a beleza e força que a música merece”, afirma.

“Vai Rodar” está entre as faixas do álbum “Cisco no Olho”, com produção musical, percussão e mixagem de Sebastian Notini e masterização de Claes Persson, do estúdio sueco CRP Master. Os arranjos são de Felipe Guedes, violão de Babuca Grimaldi, clarone e clarinete de Joana Queiroz e flauta de Leandro Tigrão.

O projeto “Repentina” tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Assessoria de Imprensa
VAGALUME PRESS
Ana Paula Marques