O envolvimento o motorista de aplicativo, Hiago Evangelista, 24 anos, com a mulher de um traficante de drogas, foi a causa da sua morte, segundo revelaram os delegados de polícia civil, Marcus Vinicius e Fabiano Aurich, nesta quinta-feira, 14.

De acordo com a polícia, o traficante, cujo nome não foi revelado, pediu que um comparsa, de prenome Micael, intermediasse a morte, que foi executada por Rodrigo “Playboy” e Alexandre “Parcker”, na noite do dia 6.

 “Conforme antecipado pelo Sudoeste Digital e confirmado pelos delegados, Hiago era quem conduzia a mulher, de identidade mantida em sigilo, para visitar o companheiro no Conjunto Penal de Conquista. Numa dessa corridas por aplicativo, a mulher teria se envolvido com Hiago e, com medo de ser morta pelo traficante, revelou a traição.” 

A versão apresentada pelos acusados, em audiência de custódia, de que a morte foi por causa de uma dívida de RS 2,5 mil com drogas, foi totalmente descartada pela polícia.

O traficante então ordenou a morte de Hiago, recomendado que fosse a mais cruel possível. Os comparsas seguiram a ordem do chefe e, após atrair Hiago para uma emboscada, renderam a vítima, amarraram as suas mãos, esfaquearam várias vezes e atearam fogo nele ainda vivo.

Acompanhe a coletiva na íntegra, na sede da Delegacia de Homicídios

Fonte e video: Sudoeste Digital