Depoente na CPI da Covid nesta sexta-feira (11), a microbiologista Natalia Pasternak criticou o uso de cloroquina para combater a doença e disse que é uma mentira “orquestrada pelo governo federal” e “mata”.

“No caso triste do Brasil, é uma mentira orquestrada pelo governo federal e pelo Ministério da Saúde. E essa mentira mata, porque ela leva pessoas a comportamentos irracionais que não baseados em ciência”, afirmou Pasternak.

“Estamos pelo menos seis meses atrasados do resto do mundo, que já descartou a cloroquina, e aqui a gente continua insistindo. Isso é negacionismo”, completou.

A fundadora do Instituto Questão de Ciência (IQC) também disse a cloroquina só funcioma em tubo de ensaio. “Nunca teve plausibilidade biológica para funcionar. O caminho pelo qual ela bloqueia a entrada do vírus na célula só funciona in vitro, em tubo de ensaio. Nas células do trato respiratório, o caminho é outro. Então, ela nunca poderia funcionar”, explicou a cientista.

Formada em ciências biológicas pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, Natalia Pasternak é PhD com pós-doutorado em microbiologia na área de genética molecular de bactérias.

Além de Natalia, o médico sanitarista Claudio Maierovitch também é ouvido pela CPI nesta sexta-feira. Ele é especialista em políticas públicas e gestão governamental. Também é mestre em medicina preventiva e social e coordena o Núcleo de Epidemiologia e Vigilância em Saúde da Fiocruz Brasília. *Bahia Notícias.